Oi pessoal, como estão? Estou dando uma passadinha rápida aqui para falar sobre o último filme da Maratona Oscar de 2017. La La Land – Cantando Estações (La La Land, 2016) foi indicado em treze categorias da premiação, tendo faturado seis prêmios, incluindo melhor diretor e melhor atriz. E de quebra o filme ainda foi um dos protagonistas do maior climão que já rolou no Oscar, quando recebeu o prêmio de melhor filme, que logo após alguns minutos foi dado para Moonlight – Sob a Luz do Luar.

La La Land – Cantando Estações conta a história de Sebastian (Ryan Gosling) e Mia (Emma Stone), dois jovens em busca de novas oportunidades para suas carreiras na cidade de Los Angeles. Sebastian é um pianista de jazz que aceita um trabalho medíocre em um restaurante para juntar dinheiro para abrir o próprio clube de jazz, e Mia é uma aspirante a atriz que trabalha como barista em um café aos arredores de um conceituado estúdio. Entre fracassos, frustrações e muita música os dois se apaixonam loucamente e começam a apoiar um ao outro na busca para a realização de seus sonhos.

La La Land – Cantando Estações é um filme bom e eu entendo todo o sucesso que ele está fazendo. Tenho alguns amigos que detestam o estilo musical, mas no momento só sabem falar de como o filme é um dos melhores que eles assistiram nos últimos tempos. Eu como uma apaixonada por musicais, fico feliz de ver La La Land trazendo novos amantes para o gênero. Mas eu confesso que saí do cinema sentido falta de alguma coisa no filme. Não me levem a mal, a fotografia é linda, a trilha sonora é boa, mas tá faltando alguma coisa. Até o final é bom! Não é aquele clichezão que todo mundo achou que fosse ser. Enfim, eu senti falta de um algo a mais.

A dupla Emma Stone e Ryan Gosling tem tanta química em cena, que sério. Você termina o filme falando ‘casem-se, por favor!’. Eu amo os dois juntos desde Amor a Toda Prova (2011). O prêmio de melhor atriz para a Emma foi mais que merecido. Fiquei muito feliz por ela ter ganho. A indicação do Ryan foi justa também. Os dois tiverem que aprender tantas coisas para a produção do filme. Inclusive, desafio todo mundo a escutar a trilha sonora e não passar uma semana cantando “city of staaaars, are you shining just for mee?”. (Aposto que já estão cantando…)

Aliás, não posso encerrar esse texto sem exaltar a fotografia maravilhosa do filme. O cenário de Los Angeles é lindo, é um cartão postal atrás de outro. E, além disso, ainda tem a colorização absurda que foi feita. Depois dêem um google no antes e depois do filme e fiquem de boca aberta. O diretor, Damien Chazelle, usou todos os recursos possíveis ao seu favor e fez isso muito bem.

Confira o trailer:

Alguém já assistiu La La Land – Cantando Estações? O que achou?

Espero que tenham gostado da Maratona Oscar desse ano. Ano que vem tem mais.

Beijos.

Olá pessoal, como estão? Antes de tudo preciso falar que estou tão empolgada hoje, porque finalmente Fuller House está disponível no Netflix. E terminando esse post aqui eu vou me trancar no meu quarto e fazer uma bela maratona. Para quem não está sabendo a série é a continuação de Três É Demais. Quem lembra das gêmeas Olsen bem novinhas na série? Pois é! Enfim, vamos ao que de fato interessa. Hoje eu estou aqui para apresentar o último filme da nossa maratona do Oscar. A Grande Aposta (The Big Short, 2015) é uma comédia dramática baseada no livro homônimo de Michael Lewis.

a grande aposta 1_

Michael Burry (Christian Bale) é dono de uma empresa que descobre que o sistema imobiliário nos Estados Unidos irá quebrar em breve e decide investir muito dinheiro nessa aposta. Essa decisão leva outros investidores a acharem que ele é completamente maluco, já que ninguém nunca havia apostado contra o sistema. O corretor Jared Vennett (Ryan Gosling) ao ficar sabendo desses investimentos resolve tentar ganhar algo também e começa a oferecer esta oportunidade para seus clientes, entre eles o dono de uma corretora que está passando por alguns problemas pessoais, Mark Baum (Steve Carell). Enquanto isso dois iniciantes percebem que também podem ganhar muito dinheiro ao apostar na crise e pedem ajuda para um especialista de Wall Street.

a grande aposta 2_

A Grande Aposta é um bom filme? Sim! Eu assistiria de novo? Provavelmente não. Mas eu tenho uma explicação pra isso. Gente, eu sou completamente leiga quando o assunto é economia e no filme eles usam muitos termos técnicos e eu fiquei bem confusa em algumas partes. Porém eu curti bastante o recurso que o diretor usou para poder explicar algumas coisas mais complicadas. Ele convidou alguns famosos como a Selena Gomez e a Margot Robbie para falar de forma simples e sarcástica o que eram determinados termos.

O filme é quase um documentário explicando e mostrando como que a crise imobiliária começou nos Estados Unidos em 2008. Se você assim como eu não tinha muita noção de como tudo estourou na época, A Grande Aposta é uma boa para dar uma clareada na mente.

a grande aposta 3_

Agora sobre as atuações é preciso bater palmas para o Steve Carell. O cara é a cara do cansaço! Todas as expressões dele mostram o estado emocional do personagem. Christian Bale também dá um show. Ele é todo desajustado sem saber lidar com as pessoas a sua volta. Entre os dois quem ganhou uma indicação de Melhor Ator Coadjuvante foi o Bale, mas na minha opinião quem merecia era o Carell.

Além de Melhor Filme, A Grande Aposta recebeu outras quatro indicações, entre elas como eu já disse a de Melhor Ator Coadjuvante e a de Melhor Diretor para Adam McKay. O longa já faturou três prêmios no Critics’ Choice Awards, sendo um deles de Melhor Ator em filme de comédia para o Christian Bale.

Confira o trailer!

Alguém já assistiu A Grande Aposta? O que achou?

Espero que tenham gostado da Maratona Oscar de 2016!

Beijos