Não sei como vocês estão, mas por aqui estou a todo vapor conferindo os ?? filmes indicados ao Oscar 2017. Faltando poucos dias para o grande dia da premiação que acontece no dia 26 de fevereiro. Nada melhor do que podermos conferir trabalhos de vários atores, valorizar as carinhas velhas e as novas do cinema. A Qualquer Custo é um filme de cowboy inteligente que acaba sendo um dos meus favoritos também. ?

A história se passa no Texas, onde dois irmãos Toby (Chris Pine) e Tanner Howard (Ben Foster) estão fazendo uma série de roubos para salvar o rancho da família. O número de outdoors oferecendo financiamento fácil e gente penhorando objetos de valor apresenta uma comunidade afundada numa crise econômica. É evidente relacionar a crise econômica das últimas eleições norte-americanas. Junto disso temos o delegado Marcus Hamilton (Jeff Bridges) e seu parceiro Alberto Parker (Gil Birmingham) que vão trilhar o rastro deixado pelos criminosos.

A cada passagem de cena dos irmãos por cada assalto cometido, em cada checagem dos indícios dos policiais nas zonas de crime, são mostrados excelentes diálogos que demonstram bem a realidade daquela religião, como por exemplo, piadas entre os parceiros de polícia. A relação entre os irmãos Toby e Tanner não é forçada o que deixa o filme ainda mais gostoso de ser assistido. Os diálogos são interpretados da melhor maneira possível, onde transparecem uma relação amigável e verdadeira nas cenas.

A região do Texas é gigante e o filme consegue explorar bem, visualmente falando. Consegue inovar na cultura envolvendo cowboys, retratando o faroeste do século 21. O longa possui uma cinematografia belíssima de ser assistida, a trilha sonora foi outra coisa que eu gostei muito. Destaque para o elenco: Chris Pine que não é somente um rostinho bonito e consegue mostrar que sabe fazer outros papéis. Ben Foster atua tão bem que me fez odiar ele em várias cenas hahaha.??

Confira o trailer:

Já assistiram?

Maratona Oscar: A Chegada

Estava olhando o calendário e vi que falta poucos dias para sabermos qual será o filme premiado. Como ainda tem muitos filmes para resenhar, os posts serão mais rápidos e dinâmicos. O filme de hoje é A Chegada o motivo maior foi pelo fato da atriz Amy Adams ? do que pela própria história em si hahaha. A Chegada é uma ficção científica que faz jus a união e a comunicação, fatores primordiais em qualquer lugar.

O longa gira em torno de Ian Donelly (Jeremy Renner) e Dra. Louise Banks (Amy Adams), uma linguista convocada pelo governo americano para estabelecer contato com alienígenas de uma das 12 naves que pousaram no planeta terra. O medo e o pânico se instalam nas ruas e em toda a sociedade, as redes de televisão registram todo sentimento de medo e receio da população mundial em relação àquela visita. ???

É interessante notar, como Louise se revela ao longo dos acontecimentos, consegue manter a tranquilidade diante de um mistério grandioso não só por ela, como para o seu trabalho e para todos que estão a sua volta. No filme, percebemos a urgência comunicacional em todas as instâncias para entender de fato o que está acontecendo. Quando finalmente o grupo de pesquisadores consegue avançar os contatos com os extraterrestres o longa faz questão de mostrar que isso partiu de um esforço em conjunto com outras nações visitadas.

Ao mesmo tempo que essa trama inteira acontece, Louise é tomada com flashs frequentes por visões dela com a sua filha. No início do filme sua filha, aparece morrendo por causa de um câncer. Mas, afinal eles conseguem resolver o mistério da linguagem dos alienígenas com a sociedade? Deixo a resposta pra quem assistir!

O filme narra uma história interessante marcado por mostrar a comunicação e como entender o próximo para compreender a si mesmo, no fundo é uma reflexão importante para nós. Algumas cenas são bem paradas e isso me fez dormir em alguns momentos hahaha. Mesmo com a boa atuação de Amy o filme não entra na minha lista de favoritos. ?

 Confira o trailer:

 Já assistiram?

Alguém aí lembra da ?? Maratona Oscar? Voltamos com todo vapor pra contar pra você a história dos filmes que estão concorrendo ao Oscar. Muitas atrizes boas, em ótimas atuações e histórias diferentes que mostram a realidade, a emoção e a verdade por trás de cada câmera. Comecei minha maratona tarde, e assim que for assistindo aos filmes vou compartilhando com vocês aqui.

O filme de hoje é Estrelas Além do Tempo, mostra a história de três mulheres negras com talentos incríveis. Katherine (Taraji P. Henson), Mary (Janelle Monáe) e Dorothy (Octavia Spencer). Elas trabalham na Nasa e foram papéis fundamentais para a trajetória dos Estados Unidos, elas atuam na chamada ala das mulheres negras do local. Katherine é ótima em matemática, conseguia fazer cálculos muito bem desde criança. Já Mary sonha em ser uma das engenheiras da NASA e Dorothy, apesar de não ganhar como uma supervisora, trabalha como se fosse uma, até porque o cargo está desocupado e alguém tem que cumprir com as tarefas.

Tudo acontece na década de 60, onde a segregação racial americana estava em peso. O filme mostra a separação dos banheiros, bebedouros e até mesmo do café que Katherine bebe quando é transferida para ala das missões, que no caso leva o astronauta Glenn a entrar na órbita da Terra. John Glenn (Glen Powell), faz questão de cumprimentar as mulheres negras, e enxerga a habilidade de Katherine e só viaja mais seguro quando os cálculos refeitos por ela estão em ordem. Al Harrison (Kevin Costner) também consegue enxergar a importância de Katherine neste trabalho.

Uma das cenas mais bonitas do filme é quando Katherine extravasa sua mágoa por ter que atravessar uma enorme área, gastando 40 minutos todo dia, para ir ao banheiro, já que o prédio onde trabalha não tem um em que ela possa entrar. Harrison fica comovido com o desabafo da funcionária e acaba com a separação dos banheiros dentro da NASA, uma atitude que aos poucos vai transformando o lugar. Temos Mary em sua batalha para estudar engenharia em uma das faculdades em que só aceita brancos, além de ter que lidar com as frustrações e rancores do próprio marido. E Dorothy que começa aprender a linguagem Fortran e ensina os colegas de trabalho, transformando-as em programadoras. Tudo isso em meio a Guerra Fria e a corrida espacial. ??

Confira o trailer:

É uma história linda de superação, com ótimas interpretações que mudam a visão do mundo com persistência e muita dedicação! ??

Já assistiram?

Tô tendo um sério problema em encontrar filmes legais para compartilhar com vocês ??. Por isso, ás vezes não rola este post por aqui com frequência no blog. E ainda por cima gostaria muito de assistir os filmes indicados ao Oscar, mas por enquanto não encontrei fontes hahaha, sigo tentando. Enquanto isso, ficamos com as indicações lá do Netflix, bora lá!

1) Um dia

O filme saiu em 2011 e eu conheço muita gente que ainda não assistiu mais vai acabar gostando muito ?. O longa conta a história de Emma (Anne Hathaway) e Dexter (Jim Sturgess) que se conhecem na faculdade, em 15 de julho. Esta data serve de base para acompanhar a vida deles ao longo de 20 anos. Emma enfrenta dificuldades para ser bem sucedida na carreira, enquanto Dexter consegue sucesso fácil, tanto no trabalho quanto com as mulheres. A vida de ambos passa por várias outras pessoas, mas sempre interligada.

2) Redenção (Machine Gun Preacher)

O filme conta a história de Sam Childers (Gerard Butler) um ex-motoqueiro e traficante que acaba se tornando um grande lutador em defesa das crianças do Sudão, que são obrigadas a virar soldados muito antes de se tornarem homem. Ele se dedica com paixão às crianças e acaba deixando um pouco de lado sua vida nos Estados Unidos, onde vive com a esposa e filha. Lá ele é conhecido como “pastor da metralhadora”, ele não tem problema em pegar em armas para defender o que pensa.

3) Spectral

Se você é fã de ficção científica, vai gostar deste filme! Tudo acontece rapidamente, numa tentativa de sobrevivência, da qual soldados em meio a uma guerra deparam-se com um tipo de inimigo nada comum, capaz de ser visto somente com aparatos tecnológicos sofisticados. Em meio a linha de tiro, os dois lados em guerra passam a ser caçados por estas entidades sobrenaturais, muito agressivas e misteriosas. ???

Já assistiu algum? Aceito recomendações! ?

No finalzinho do ano passado fui ao cinema conferir a estreia do filme Minha mãe é uma peça 2, acabei não assistindo o primeiro filme não lembro por qual motivo. Mas, ele é intuitivo e você consegue se conectar facilmente com os personagens da história. Fazia tempo que eu não assistia um filme nacional tão divertido e bacana como este. ??

No canal Multishow eu já tinha visto alguns episódios do Paulo Gustavo interpretando Dona Hermínia, e conferindo o filme por completo não tem como se apaixonar ainda mais pela personagem tão marcante por sinal. Para quem não sabe o Paulo Gustava decidiu fazer da sua mãe seu principal personagem de comédia. Na história do filme Dona Hermínia (Paulo Gustavo) está de volta, desta vez rica, pois agora passou apresentar um programa bem-sucedido na TV.

Porém, a personagem super protetora vai ter que lidar com a casa vazia porque seus filhos decidiram seguir suas vidas. Juliano (Rodrigo Pandolfo) e Marcelina (Mariana Xavier) resolvem sair de casa, ele para trabalhar ela para estudar teatro. Para completar, Garib (Bruno Bebianno), o primogênito, chega com o neto. Várias situações engraçadas acontecem e ainda por cima ela recebe uma longa visita da irmã Lucia Helena (Patricya Travassos), a ovelha negra da família, que mora há anos em Nova York.

Achei a história pra lá de inteligente, com um enredo gostoso de ser entendido e assistido, com certeza vai te arrancar boas gargalhas. Paulo Gustavo está com uma caracterização tão impecável que por vezes não parece homem hahaha. No final dos créditos a mãe dele aparece cantando, uma fofura em pessoa!. Um excelente filme pra você ir com a família toda! ?

Confira o trailer:

Já assistiram?

Faltando poucos dias para o Natal e a gente só pensa em que? Comida. E com ele também vem o descanso e ficar horas jogada no sofá atualizando séries e filmes que você não pode assistir ao longo do ano por conta da sua vida corrida. Vi que em dezembro o Netflix trouxe várias estreias bem legais e hoje compartilho com você o que eu assisti. 🙂

1) A Vida Secreta de Zoe

avidasecretadezoe

Sabe aquela mania feia de julgar o livro pela capa? Faço isso com filmes, mas dei uma chance para A Vida Secreta de Zoe e não é que eu gostei? O longa conta a história de Zoe Reynard (Sharon Leal) uma profissional respeitada, e está casada com o homem que ama desde a infância com quem tem 3 filhos. Com o tempo ela não consegue esconder sua compulsão por sexo. Zoe sai com um artista, com quem passa várias noites, e também com um homem violento, que ameaça machucá-la. Antes que tudo passe dos limites, ela decide procurar uma terapeuta, para quem conta todas as suas histórias. Enquanto isso, Zoe multiplica os encontros e os novos parceiros sexuais, ela tenta esconder a vida dupla da família e dos amigos.

2) A Escolha

177A1744.CR2

177A1744.CR2

Fiz resenha dele aqui no blog e recomendo novamente porque tá no Netflix. Para quem ama romances, clichês e todas as histórias de Nicholas Sparks vai curtir a história. O filme mostra a vida de Travis Parker (Benjamin Walker) que possui um bom emprego, amigos leais e uma casa em uma pequena cidade costeira. Ele busca viver tranquilamente e acredita que um relacionamento sério limitaria o seu estilo de vida. Isso até que Gabby Holland (Terese Palmer) se muda para a casa ao lado. Alguns motivos em comum acabam fazendo com que eles fiquem juntos e vivendo uma relação inesperada.

3) O Maior Amor do Mundo

omaioramordomundo

Escolhi o filme justamente por ter várias atrizes de peso. A história é bacana e debate assuntos tão importantes vividos em família como divórcio, perdas, inseguranças, abandono e preconceitos. O filme é uma comédia romântica e retrata várias histórias associadas à maternidade que acabam se cruzando. Sandy (Jennifer Aniston) é uma mãe solteira com 2 filhos, Bradley (Jason Sudeikis) é um pai solteiro com uma filha adolescente, Jesse (Kate Hudson) vive uma história complicada com sua mãe, Kristin (Britt Robertson) nunca conheceu sua mãe biológica e Miranda (Julia Roberts) é uma escritora de sucesso que abre mão de ter filhos para se dedicar à carreira.

Já assistiram algum? 😀