Depois de uma temporada longa acompanhando os filmes do Oscar, ótimos filmes na lista por sinal.  Hoje, voltamos para a programação normal de indicar filmes e voltar com os 3 últimos assistidos no Netflix, eu acabei não assistindo nada por lá porque os indicados do Oscar tomaram meu tempo, logo tudo volta aos conformes, combinado? 😉

A escolha de hoje é o filme Beleza Oculta que mostra a história de Howard (Will Smith) um publicitário de sucesso que vê seu mundo acabar depois que perde a filha de 6 anos, logo ele apresenta sinais de alucinação e depressão. Seus sócios e amigos na agência Whit (Edward Norton), Claire (Kate Winslet) e Simon (Michael Peña) procuram uma maneira de ajudá-lo, ao mesmo tempo em que se encontra em uma situação complicada na profissão.

Howard acaba participando de um grupo de apoio comandado por Madeleine (Naomie Harris), enquanto passa a escrever cartas, não para as pessoas, mas tentando de alguma maneira expor seus sentimentos, dividindo elas em Amor, Tempo e Morte que se materializam nas figuras interpretadas por (Keira Knightley, Jacob Latimore e Helen Mirren).

A narrativa não aprofunda tanto nas situações, apenas mostra exemplos de como as coisas realmente são. A perda de pessoas que amamos, o tempo que poderíamos ter ficado com elas, a dor, o choro escondido, a morte entre outros sentimentos que nos rodeiam. É uma história simples, que traz reflexão, valores e principalmente emoção pra quem passa/passou por alguma história compartilhada no filme.

Li muitas críticas negativas, mas desconfio de todas até assistir o filme e ver com meus próprios olhos e tirar as minhas conclusões. Will Smith novamente arrasa mais uma vez nas telonas, consegue transmitir o sentimento de dor que vive. Adoro filmes gravados em Nova York e esse foi um dos motivos que me fez assistir. Acho que a trilha sonora poderia ter sido melhor. O trailer abaixo pode te fazer chorar, tá? 😭

Já assistiram?

Eu quero: Cozinha com ilha

Eu sou fã do programa de canal acabo Irmãos à Obra. Simplesmente pelo fato de mostrar o trabalho duro para ter uma decoração bonita e a casa dos sonhos. Pra quem nunca ouviu falar do programa de TV, os apresentadores são irmãos na vida real e um deles fica por conta da obra, enquanto o outro pesquisa os preços das casas para comprar, a partir da escolha dos novos moradores a reforma é realizada. 🛠🏠

Quem gosta de arquitetura, design e decoração em si o programa é um prato cheio para aprender e buscar referências legais para mudar em casa, seja aquele cômodo apertadinho ou a cozinha com ilha, uma das minhas paixões 😍 e que mais mostram no programa. Imagina ter uma cozinha espaçosa, com um móvel centralizado no ambiente e que pode ser usado para apoiar o fogão, a pia, a bancada e disponibilizar assentos para servir como uma plataforma de refeição, preparo de alimentos ou armários embaixo.

Não importa por qual motivo você deseja a ilha na cozinha, o recurso é atual, elegante, atual e ainda por cima tem mil utilidades. Em espaços pequenos, por exemplo, vale apostar na ideia do fogão cooktop, assim favorece a circulação e não atrapalha os outros móveis da cozinha. Objetos decorativos para a ilha ou até luminárias e lustres são bem vindos. Para cozinhas maiores, a bancada pode ser longa, inox, madeira, cimento queimado ou granito são opções que podem complementar na hora de decorar, como o espaço é central invista em cadeiras ou banquetas criando um ar aconchegante e convidativo para todos.

Ideias e inspirações com ilha na cozinha há uma infinidade, acredito que a melhor opção é você conversar com um arquiteto e trocar referências para valorizar ainda mais o espaço da sua cozinha. 😉

Vocês gostam da ilha na cozinha? Ou preferem outro modelo?

Testei e Amei: Shampoo Phytoervas

No finalzinho do ano passado aproveitei que eu fui no supermercado fazer uma compra de produtos de beleza para uma viagem e trouxe pra casa o Shampoo Phytoervas que promete revitalização e brilho. Este shampoo tem para todos os tipos de cabelos, mas acabei optando por essa embalagem vermelha por conta apenas da fragrância. 😂

Meu cabelo atualmente tá ótimo, acontece que eu faço bom uso de secador/chapinha e isso acaba ocasionando quebra dos fios e ás vezes eles ficam opacos, mas mantendo todos os cuidado em dia, fica tudo certo! O Shampoo não contêm sal, sulfato, corantes e sem parabenos, possui um complexo de cereais integrais de linho, trigo e quinoa responsável por potencializar a nutrição, restauração e ação contra o envelhecimento dos cabelos. Garante fios revitalizados e com muito brilho, especialmente para cabelos quebradiços e opacos.

A textura é densa mais não é grudenta, quando eu apliquei no couro cabeludo o shampoo espalhou facilmente e fez pouca espuma, não precisei usar duas vezes porque senti a cabeça limpa. Não deixou os fios embaraçados e sim mais soltinhos e cheirosos (fragrância docinha sem ser enjoativa). Preçinho super amigo R$14,00 reais. 😃😃

Já usaram Shampoo Phytoervas? Qual shampoo você usa?

Tô de olho nos looks esportivos!

Não é de hoje e muito menos ontem que os looks esportivos vem ganhando um espaço no meu coração. É que a moda é tão democrática e agrada todos os estilos e acabou me conquistando. Quem curte usar roupas despojadas sem se preocupar com salto alto, bolsa colorida e acessórios é uma opção e tanto para apostar e sair dos looks comuns do dia a dia. 😌

Você pode incorporar com um tênis ao estilo New Balance ou uma calça de moletom para o dia de composições mais sérias, o blazer e as jaquetas são bem vindas por aqui. Vale investir no jeans com jeans e tênis branco ou qualquer outro que atenda o seu conforto. Saias, shorts e vestidos também podem acabar se tornando looks esportivos, aposte com camisas amarradas na cintura, blusas ou camisetas com estampas ligadas ao esporte ou logomarcas que representam este mundo cool. ✌✌😍

Pra quem busca opções de looks com visual mais urbano, sem cair na simplicidade é combinar com peças do seu armário mesmo e misturando com moletons, tênis e acessórios esportivos. Além de ser confortável e moderno, você pode atualizar seus looks de verão e os de inverno, misturando com peças básicas e cheias de glamour como paetês ou metalizados.

Vocês gostam desse estilo? Qual outro estilo preferem?

Oi pessoal, como estão? Estou dando uma passadinha rápida aqui para falar sobre o último filme da Maratona Oscar de 2017. La La Land – Cantando Estações (La La Land, 2016) foi indicado em treze categorias da premiação, tendo faturado seis prêmios, incluindo melhor diretor e melhor atriz. E de quebra o filme ainda foi um dos protagonistas do maior climão que já rolou no Oscar, quando recebeu o prêmio de melhor filme, que logo após alguns minutos foi dado para Moonlight – Sob a Luz do Luar.

La La Land – Cantando Estações conta a história de Sebastian (Ryan Gosling) e Mia (Emma Stone), dois jovens em busca de novas oportunidades para suas carreiras na cidade de Los Angeles. Sebastian é um pianista de jazz que aceita um trabalho medíocre em um restaurante para juntar dinheiro para abrir o próprio clube de jazz, e Mia é uma aspirante a atriz que trabalha como barista em um café aos arredores de um conceituado estúdio. Entre fracassos, frustrações e muita música os dois se apaixonam loucamente e começam a apoiar um ao outro na busca para a realização de seus sonhos.

La La Land – Cantando Estações é um filme bom e eu entendo todo o sucesso que ele está fazendo. Tenho alguns amigos que detestam o estilo musical, mas no momento só sabem falar de como o filme é um dos melhores que eles assistiram nos últimos tempos. Eu como uma apaixonada por musicais, fico feliz de ver La La Land trazendo novos amantes para o gênero. Mas eu confesso que saí do cinema sentido falta de alguma coisa no filme. Não me levem a mal, a fotografia é linda, a trilha sonora é boa, mas tá faltando alguma coisa. Até o final é bom! Não é aquele clichezão que todo mundo achou que fosse ser. Enfim, eu senti falta de um algo a mais.

A dupla Emma Stone e Ryan Gosling tem tanta química em cena, que sério. Você termina o filme falando ‘casem-se, por favor!’. Eu amo os dois juntos desde Amor a Toda Prova (2011). O prêmio de melhor atriz para a Emma foi mais que merecido. Fiquei muito feliz por ela ter ganho. A indicação do Ryan foi justa também. Os dois tiverem que aprender tantas coisas para a produção do filme. Inclusive, desafio todo mundo a escutar a trilha sonora e não passar uma semana cantando “city of staaaars, are you shining just for mee?”. (Aposto que já estão cantando…)

Aliás, não posso encerrar esse texto sem exaltar a fotografia maravilhosa do filme. O cenário de Los Angeles é lindo, é um cartão postal atrás de outro. E, além disso, ainda tem a colorização absurda que foi feita. Depois dêem um google no antes e depois do filme e fiquem de boca aberta. O diretor, Damien Chazelle, usou todos os recursos possíveis ao seu favor e fez isso muito bem.

Confira o trailer:

Alguém já assistiu La La Land – Cantando Estações? O que achou?

Espero que tenham gostado da Maratona Oscar desse ano. Ano que vem tem mais.

Beijos.

Vamos falar do filme vencedor do Oscar? Depois de toda polêmica ocorrida na premiação, quem viu ao vivo, viu! Eu também achei que a pessoa tinha lido errado quando mencionaram La La Land, e foi bem isso que aconteceu. Moolight: Sob a Luz do Luar, não foi o meu favorito, mas agrada por possuir uma história interessante e o que eu mais gostei foi a fotografia, é praticamente um encanto pra quem ama essa arte. 📽🎞

O filme também surgiu a partir de uma ideia de uma peça teatral (não lançada) divide a vida do personagem em 3 capítulos, seu principal foco é a busca por autoconhecimento, algo universal, inerente à vida de qualquer ser humano, independente da cor da pele. Podemos conhecer a história de Chiron (Alex Hibbert) que mora numa comunidade pobre de Miami, bem na época da explosão do crack dos anos 80. Na adolescência, quem assume é (Ashton Sanders) em uma performance exagerada e menos sutil que transparecia.

O longa mostra as questões de raça, preferência sexual e ganha contornos complexos, mostrando a vida de uma mãe solteira sobrecarregada de trabalho que usa a droga como escape. Entre um mundo externo perigoso e lares desfeitos, Chiron parece não ter qualquer escapatória a não ser a de se corromper pelo meio em que vive. Moonlight promove uma perspectiva de uma Miami com tonalidades fortes e deprimentes da fotografia de James Laxton, uma espécie de versão periférica de Christopher Doyle e variando com a música clássica a Caetano Veloso. 💕

Confira o trailer:

Já assistiram?