Uma das coisas mais legais de assinar o Netflix é a possibilidade de encontrar filmes atuais e antigos também. Ás vezes perdemos a estreia de algum filme por conta da vida corrida e só depois percebemos que ainda não assistimos e quando abrimos a cartela de filmes do aplicativo lá está ele. Foi durante essas buscas por um filme legal em uma sexta-feira chuvosa que eu assisti A arte da conquista.

aartedaconquista

Uma comédia não tão romântica assim e muito dramática, digamos que é um filme fofinho sim, tá? A história se passa na vida de George (Freddie Highmore) um adolescente que não fala muito e vive desenhando, ele está prestes a se formar e possui uma visão pessimista sobre as coisas. Ele não acredita que vale a pena estudar e acha uma bobagem todos aquelas tarefas de escola, detesta desperdiçar os dias investindo num relacionamento, pois todos morremos sozinhos no final da vida. Até quem em um belo dia ele conhece Sally (Emma Roberts) uma adolescente que não se apega ás pessoas.

Ambos carregam seus problemas, George foi abandonado quando criança e Sally tem uma mãe sem noção quando o assunto é sexo. Aos poucos eles vão se aproximando e revelam uma relação diferente um com outro. Ela vê o garoto como um amigo, mas não dispensa a ideia de dormir com ele. E George acaba se apaixonando, embora não assuma o sentimento, porém, acaba caindo na contradição de não acreditar no valor de passar o tempo à procura de alguém para amar.

filmeartedaconquista

O filme traz outros temas como saudades da infância, medo, dores internas, a importância das distrações em meio aos problemas e a mudança do ser humano em sociedade. Na verdade a gente nunca sabe ao certo como as coisas vão acontecer amanhã e muitas vezes somos surpreendidos no meio do caminho, por mais que não seja a direção certa, precisamos seguir em frente, não é mesmo?

Confira o trailer:

Pode ser que o filme não chame tanto a sua atenção de primeira mão. Mas, garanto à você que a história é boa, pois trata de temas reais e profundos que acabam nos tirando uma reflexão bacana sobre a nossa própria vida.

E vocês, já assistiram?