Livros para refletir

 

Há livros que contam histórias tão interessantes que acabam conquistando leitores por todo o mundo. São os famosos best-sellers, que ocupam as estantes de várias casas. Entre os grandes sucessos encontramos histórias que fogem do tradicional, principalmente na literatura estrangeira, sem ser  a norte-americana. Dois livros que li nesse primeiro semestre e me agradaram bastante foram A Menina Que Roubava Livros e O Caçador de Pipas.

A Menina Que Roubava Livros

Difícil encontrar alguém que não tenha lido, ou que não tenha vontade de ler, ou que nunca ouviu falar dele. Uma história contada pela Morte com certeza atrai muitos curiosos e o autor Markus Zusak conseguiu escrever a realidade cruel dos alemães e judeus na Segunda Guerra Mundial através da vida de uma garotinha. A história é narrada pela Morte, que conta sobre a vida de Liesel Meminger, uma garota alemã que encontra nos livros um refúgio para suportar o seu sofrimento e as dificuldades. Adorei a forma como a história foi contada e mostrou como a violência destrói a vida de todos os envolvidos, principalmente dos inocentes. É bem realista, comovente e viciante. Foge dos padrões e tem uma forma própria de narração, que nos deixa curiosos e ansiosos.

O Caçador de Pipas

Hoje ouvimos falar bastante do Afeganistão, mas poucos sabem que esse país já viveu dias de paz. O personagem principal, Amir, conta sobre sua infância abastada e sobre seu melhor amigo Hassan. Porém, não é uma história muito feliz. Por causa de um erro, Amir carrega uma culpa até a vida adulta enquanto passa por várias transformações decorrentes da guerra que se abateu sobre seu país. Seu erro também afeta a vida de quem está a sua volta. O autor Khaled Hosseini narrou essa história de forma crua. Mostra as consequências de nossas escolhas e o que devemos dar importância. Ele trata dos assuntos que muitas vezes tentamos não enxergar por serem difíceis de aceitar e também fala sobre honra, perdão e redenção. O livro é ótimo e a leitura é fácil e muito emociante.

O que me chamou muita atenção nesses dois livros foi a realidade que eu não pensava muito sobre. A fome, a miséria, a guerra, a violência. Quando temos uma vida boa reclamamos de coisas tão insignificantes e nos esquecemos de agradecer por todas as coisas boas que possuímos. E essa é a melhor função dos livros: abrir nossas mentes, nos fazer pensar além. Por isso que ler é fundamental e faz um bem danado!

Quem já leu algum desses? O que acharam?
Beijos e um ótimo fim de semana!

Não desista daquele produto…

Sabe aquele produto, aquele que compramos por impulso e nem sabemos direito para o que serve ou como usá-lo e ele fica lá, jogado na gaveta? Pois é, vim aqui para pedir a vocês que não desistam dele. Produtos são feitos pra uma determinada função sim, mas nem sempre é a única função, acho válido testá-los e escolher a melhor forma que ele nos serve.

Há uns meses atrás vi uma super promoção no morangão de uma base da Anna Sui e não resisti, mas quando chegou, vi que além de ser clara demais era super brilhante, não estou falando de uma base levemente iluminada, era algo “cintilante” e percebi que seria impossível usar como deveria, a solução seria usá-la como iluminador, e ficou lindo!

Outro produto mal compreendido é o pincel E40 da Sigma, feito originalmente para esfumar, é facilmente esquecido por ser grande demais para área dos olhos, mas pode desempenhar outras funções, aplicando iluminador nas têmporas, ou na minha forma favorita: aplicando corretivo, dá um acabamento simplesmente perfeito!

Sabe aquele lápis de olhos lindo, muitas vezes colorido que você comprou mas não dura nada na linha d’água, então você deixa ele de castigo na gaveta? Já experimentou usá-lo esfumadinho na pálpebra? Tenho certeza que ficará lindo e você se sentirá ótima por redescobrir seus produtos 😉

E vocês, tem algum produto esquecido na gaveta por não saber como usar?

Beijos e um ótimo fim de semana @Diadebrilho