Olá pessoal, como estão? Não vou nem falar de Copa, porque né? A vida segue! Enfim, hoje eu to aqui para indicar um filme para vocês assistirem durante as férias. A Estranha Vida de Timothy Green (The Odd Life of Timothy Green, 2012) é um filme de drama e fantasia dos estúdios Disney.

a estranha vida de timothy green_

A história se passa em uma pequena cidade no interior da Carolina do Norte nos Estados Unidos e conta a vida de Cindy (Jennifer Garner), uma moça que trabalha no museu local e Jim (Joel Edgerton), seu marido, que é empregado da fábrica de lápis. O casal Green descobre que não podem conceber um filho de forma nenhuma e entristecidos pela notícia decidem listar diversos sonhos e desejos que gostariam para o seu filho. Eles colocam essa lista dentro de uma caixa de madeira e enterram no quintal de casa.

a estranha vida de timothy green 2_

Após uma estranha tempestade, eles começam a escutar barulhos dentro de casa e encontram o pequeno Timothy (CJ Adams) todo sujo de lama brincando em um quarto abandonado. Cindy e Jim então começam a conversar com o garoto e ele revela que veio do jardim e quando perguntam quem são os pais dele, ele afirma que o casal a sua frente são seus pais. Jim então corre até o jardim e encontra um grande buraco e a caixa de madeira totalmente destruída. Eles então percebem que Timothy é uma junção de tudo o que eles pediram e desejaram para o seu filho. O casal também descobre que o menino tem folhas em suas pernas.

Jim e Cindy logo apresentam Timothy para todos na família como filho deles e o levam ao botânico da cidade para saber mais sobre as folhas nas pernas do menino. Ao descobrirem que elas não podem ser removidas, o casal decide que ninguém deve saber delas e que ele viverá uma vida comum. O pequeno Timothy então começa a mudar a vida de todos a sua volta.

Confira aqui o trailer!

A Estranha Vida de Timothy Green de início parece ser um filme meio estranho, já que conta a história de uma criança com folhas em suas pernas, mas no decorrer é possível que a história vai além, não é só isso. É uma reflexão sobre família, sobre a pressão de ter um filho, é sobre sobrecarregar um filho com desejos ou vontades dos pais para que eles tenham uma vida melhor ou até mais feliz que as deles. Enfim, há diversas lições no filme e a sensibilidade com a qual eles as tratam é realmente muito bonita. Confesso que me rendeu algumas lágrimas.

Não que eu seja uma especialista no assunto, mas a fotografia do filme tão é maravilhosa. Os tons terrosos típicos do outono são predominantes. Eu estava lendo algumas curiosidades sobre A Estranha Vida de Timothy Green e parece que o diretor Peter Hedges gravou boa parte durante o amanhecer e o entardecer dos dias, produzindo belas imagens.

Espero que gostem da indicação. Dê uma chance para a família Green.

Semana que vem tem mais!

Beijos.

Olá pessoal, como estão? Espero que todos estejam bem e curtindo as férias, a Copa do Mundo, enfim, curtindo a vida. Vamos logo ao assunto, semana passada estreou nos cinemas de todo o Brasil a continuação de uma das minhas animações favoritas, Como Treinar o Seu Dragão 2. Eu como uma fã da história já fui conferir e devo dizer que eu saí do cinema maravilhada, porque na maioria das vezes as continuações são horrorosa e inferiores a primeira parte, mas com esse foi completamente diferente e a sequência é tão boa quanto.

como treinar o seu dragão 2 1_

Como Treinar o Seu Dragão 2 (How to Train Your Dragon, 2014) dá continuidade aos eventos ocorridos no primeiro filme, Como Treinar o Seu Dragão (How to Train Your Dragon, 2010) e se passa 5 anos após os habitantes da pequena ilha de Berk descobrirem que dragões não são as ameaças que eles imaginavam e agora todos convivem amigavelmente com as criaturas. Eles até criaram um novo esporte, a corrida de dragões, onde os competidores têm que capturar algumas ovelhas soltas na ilha e quem recolher mais, incluindo a ovelha negra, ganha.

como treinar o seu dragão 2 2_

Enquanto Astrid e os outros jovens da ilha estão participando da corrida, Soluço e Banguela, inseparáveis como sempre, sobrevoam todos os lugares descobrindo, explorando e mapeando novos territórios. Em uma das viagens, enquanto foge de Stoico, seu pai – que quer que o jovem viking se torne líder da ilha – Soluço descobre uma caverna secreta de gelo que abriga diversos dragões selvagens. O local é protegido pela treinadora de dragões Valka, que coincidentemente é a mãe do garoto, que foi dada como morta quando ele ainda era apenas um bebê. A dupla e quase todos os habitantes da ilha de Berk se juntam para proteger seus territórios e dragões do perigoso e macabro Drago Sangue Bravo, um “colecionador” que deseja controlar todos os dragões existentes para construir um exército.

Confira aqui o trailer!

Como eu já disse lá em cima eu sou uma grande fã do primeiro filme e sua história e aqui em Como Treinar o Seu Dragão 2 não foi diferente. A sensibilidade com que eles trataram o reencontro de Soluço com a mãe, os problemas que ele enfrenta com Banguela e um momento específico do final que altera a dinâmica do filme é incrível. As cenas de plano aberto que mostram as sequências de vôo e batalha são lindas e ficam ainda mais impressionantes com o 3D.

Como Treinar o Seu Dragão 2 vale a pena porque não aposta em soluções fáceis para a história. Sacrifícios são feitos e sem medo. O filme tem a dose certa de comédia, drama e até romance. E o carisma de Soluço e Banguela mais ligação existente entre a dupla é algo que conquista o espectador desde o primeiro filme.

Quem ainda não assistiu ao início de tudo em Como Treinar o Seu Dragão, eu já falei um pouco dele aqui e eu recomendo que você veja o mais rápido possível e para quem já assistiu corre para o cinema mais próximo e confere essa continuação maravilhosa.

Espero que gostem da indicação. Semana que vem tem mais.

Beijos

Sessão Pipoca: Noé

Bom dia, gente! Aqui é a Carol, eu tinha me afastado por um tempo porque minhas responsabilidades fora do blog estavam me impedindo de continuar a escrever aqui. Mas, felizmente, estou de volta para continuar a compartilhar com vocês minha opinião sobre filmes, séries, livro e música. E para a minha primeira semana de volta ao Dia de Brilho eu escolhi um filme que assisti no cinema há pouco tempo, trata-se de Noé.

Se você que é religioso, conhece a história de Noé como a palma de sua mão, espera que o filme seja fiel ao que está escrito na bíblia… Não veja. Ou veja, para notar as diferenças. Muita coisa foi inventada, com elementos sobrenaturais e temas abordados como sexo, fertilidade e religião. Antes de assistir, muitas pessoas vieram até mim criticando o filme por não seguir a história ao pé da letra. Então talvez por ter ido preparada para não gostar, eu me surpreendi. Os efeitos especiais são incríveis e ao decorrer do filme muitas cenas fortes aparecem, fazendo o telespectador refletir e questionar o que Deus realmente quer de nós (para quem acredita, claro). Será que a interpretação que fazemos de certas mensagens são corretas? Essa foi uma pergunta que levei comigo ao final do filme.

NOAH

Quanto às atuações, Russell Crowe como Noé foi excepcional. Ele foi absolutamente o ator que deveria ser para interpretar um personagem tão singular quanto Noé, por vezes até me fez odiá-lo durante o filme devido a algumas atitudes. Jennifer Connely foi ótima também, representou bem a esposa de Noé, liderou a maioria das cenas mais emocionantes. Emma Watson, como filha adotada de Noé, sustentou o suficiente o drama de sua personagem. Por último, eu me decepcionei com Logan Lerman, achei muito fraca a atuação, mas valeu a paisagem hehe. Anthony Hopkins como Matusalém foi uma ótima figura, mas não esperava menos de um grande ator como ele.

noah-

A quem interessar, confira o trailer:

Vocês já assistiram o filme? Conta aí!

Beijos!

Sessão pipoca

Oi gente linda, como estão? Essa semana eu fiz a revoltada e resolvi aparecer mais cedo na semana. Mentira, foi a Wanessa que perguntou se era viável eu mudar o meu dia essa semana e bom, estamos aqui!

Semana passada eu fui ao cinema com a Carol e com a Wanessa e gente como os shoppings estão LOTADOS. Confesso que fiquei meio assustada e até pedi para as férias das crianças acabarem logo para eu conseguir assistir meu Malvado Favorito 2 sem que todas elas fiquem gritando. No primeiro dia nós ficamos mais de uma hora na fila para conseguir comprar os ingressos e no segundo dia só foi mais rápido porque fomos parar em um shopping que só vende sofá, ou seja, não tem o muito que fazer por lá a não ser o cinema.

Agora pega a pipoca, o brigadeiro, o refrigerante, os doces e o milkshake e vem ler. Sim, só listei coisas não saudáveis porque eu não me imagino comendo uma barra de cereais dentro do cinema ou em casa assistindo filme. Pensamento de gordinha.

1 – Homem de Aço (Man of Steel – 2013)

man of steel poster__

A sinopse do filme é a seguinte:

Nascido em Krypton, o pequeno Kal-El viveu pouco tempo em seu planeta natal. Percebendo que o planeta estava prestes a entrar em colapso, seu pai (Russell Crowe) o envia ainda bebê em uma nave espacial, rumo ao planeta Terra, e levando com ele importantes informações de seu povo. Contrariado com tal atitude, o General Zod (Michael Shannon) tenta impedir a iniciativa e acaba preso. Já em seu novo lar, a criança foi criada por Jonathan (Kevin Costner) e Martha Kent (Diane Lane), que passaram a chamá-lo de Clark. O tempo passa, seus poderes vão aparecendo e se tornando, de certa forma, um problema, porque isso evidencia que ele não é um ser humano. Já adulto, Clark (Henry Cavill) se vê obrigado a buscar um certo isolamento porque não consegue resistir aos salvamentos das pessoas e sempre precisa sumir do mapa para não criar problemas para seus pais. Mas o terrível Zod conseguiu se libertar e descobriu seu paradeiro. Agora, a humanidade corre perigo e talvez tenha chegado a hora das pessoas conhecerem aqueles que passarão a chama de o Super-Homem.

Já vou confessar que a minha primeira motivação para assistir ao Homem de Aço foi o Henry Cavill. E acredito que boa parte do público feminino do filme tenha tido a mesma motivação. Vamos combinar o moço é muito bem apessoado. Eu nunca fui muito fã do Super-Homem, não conseguia lidar com o fato do homem usar uma cueca por cima da roupa e todo mundo achar isso muito legal. Minha segunda motivação foi que nos últimos anos eu tenho assistido muitos filmes de super heróis, por exemplo, todos os filmes dos heróis da Marvel. E eu tomei gosto pela coisa. Então não poderia perder este.

MAN OF STEEL

Como eu não sou uma fã de Super-Homem, não sei de quadrinhos e dos filmes anteriores eu me lembro bem vagamente, no quesito história eu gostei bastante. Porque pra mim mostrou como tudo começou. O que motivou Jor-El a mandar o filho para Terra e através de diversos flashbacks mostrou como Clark cresceu tendo de lidar com os poderes que tinha, mas sem que ninguém descobrisse. Outra coisa excelente é a atuação de todos. O momento em que Clark tem que deixar o pai morrer para que ninguém descubra os seus poderes é bem triste e Henry Cavill conseguiu mostrar bem isso. As cenas de luta entre o Super-Homem e o General Zod são ótimas também. Adoro ver eles destruindo a cidade inteira como se aquilo fosse normal. Quando eu assisto filmes com cenas desse tipo eu sempre me pergunto quanto o prefeito ou governador daquele lugar vai ter que desembolsar pra arrumar a bagunça toda.

2 – O Cavaleiro Solitário (The Lone Ranger – 2013)

the lone ranger poster__

A sinopse é a seguinte:

Colby, Texas, 1869. John Reid (Armie Hammer) é um advogado que acaba de retornar à sua cidade-natal, onde vive seu irmão Dan (James Badge Dale), a cunhada Rebecca (Ruth Wilson) e o sobrinho Danny (Bryant Prince). John está disposto a cumprir a justiça ao pé da letra, levando os criminosos ao tribunal, apesar da resistência local. Ao acompanhar o irmão e outros Texas Rangers em uma patrulha pelo deserto, o grupo é atacado pelos capangas de Butch Cavendish (William Fichtner), um bandido que tem a fama de comer carne humana. Todos são assassinados, com exceção de John, que fica à beira da morte. O índio Tonto (Johnny Depp) o encontra e, ao perceber que um cavalo branco escolhe John, passa a ajudá-lo. Tonto acredita que John foi escolhido por um mensageiro espiritual e que, como voltou da morte, não pode mais ser morto. A partir de então John passa a usar uma máscara e, ao lado de Tonto, faz de tudo para reencontrar Cavendish.

Primeira surpresa do filme, ele tem o Johnny Depp e a Helena Bonham Carter, mas não é do Tim Burton. Esse trio já é tão comum que chega até ser estranho ver só um ou dois trabalhando sem os outros. O diretor é o Gore Verbinski, o mesmo de três Piratas do Caribe, Rango (2011) e O Chamado (2002).

the longe ranger scene__

Todas as críticas que eu li sobre esse filme falam praticamente a mesma coisa, que o filme é um dos piores já feitos pelo Johnny Depp e que não vale a pena sair de casa para assistir no cinema. Bom, eu não tenho propriedade nenhuma pra avaliar o filme nos mesmos conceitos que esses críticos devem ter usado, mas na minha humilde opinião o filme não é essa atrocidade que estão falando por ai. Não é o melhor do Johnny Depp, mas também não é o pior. Se você está querendo um filme para se divertir e rir, O Cavaleiro Solitário é uma boa escolha, tem ação e comédia na medida certa. O filme é bem engraçado e tem uns momentos que você pensa “de onde surgiu isso?”, mas logo eles dão um jeito de explicar. Aliás, um dos melhores momentos para esse pensamento é na cena da escada no trem. Quando você menos espera, Tonto aparece subindo uma escada em cima de um trem em movimento e ele faz aquilo como se fosse a coisa mais normal do mundo.

Já assistiram a esses dois filmes? Espero que gostem.

Beijos.

Bom dia, leitoras! Para essa semana eu escolhi um dos meus atores favoritos, Jake Gyllenhaal. Suas interpretações, a maioria pelo menos, foram muito bem recebidas pelas críticas, resultando em declarações como a seguinte:

“Gyllenhaal alça o truque difícil de parecer tanto uma pessoa suavemente normal como uma profundamente perturbada, frequentemente dentro de uma mesma cena”

jake-gyllenhaal-1

Os seguintes filmes são os meus dois preferidos de sua longa lista de atuações: Donnie Darko e o Príncipe da Pérsia.

Donnie Darko (2001)

Dirigido por Richard Kelly e produzido por Drew Barrymore.

O que chama a atenção no filme é seu personagem e seus distúrbios mentais, que o fazem ver um coelho gigante chamado Frank que o manda cometer diversos atos de vandalismo. O interessante de tudo o que acontece em decorrência disso – como Donnie enlouquecendo aos poucos, os personagens secundários se interessando cada vez mais por ele e eventos misteriosos – faz parte de algo maior que vocês podem constatar ao assistir o filme!
Donnie-Darko-filmes-cult-e1358515357118

Donnie Darko é um jovem esquizofrênico que teme as mensagens do dia do Juízo Final, ditas por um coelho gigante. O que parece absurdo de início é na verdade uma misteriosa e encantadora viagem pela mente atormentada de Donnie, até o conceito dessa viagem no tempo transformar para sempre a sua percepção da vida e o destino das pessoas que o rodeiam.

Além de abordar viagens no tempo, emprega assuntos como teorias de física quântica somadas às críticas em relação à igreja, o relacionamento familiar, a falta de preparo das instituições de ensino e a professores déspotas que impõe uma ideia sem notar quão alienados e inerentes as regras da sociedade estão.

Donnie Darko (L - R) Jake Gyllenhaal & Jena Malone © Warner Brothers Int TV

O filme é definitivamente uma obra única e peculiar no melhor sentido possível. Não só dentro das experiências sensoriais e visuais além de todos os símbolos e códigos abordados que enriquecem o tema principal.  A cena onde Jake deixa bem claro o quão competente ele é com o seu trabalho é a em que ele está na sala da diretoria e sua diretora fala em voz alta o que ele disse para ela durante a aula. A expressão que Jake faz em seguida é simplesmente genial. Com toda a certeza esse foi o trabalho em que ele se destacou mais e um dos que mais exigiu de sua capacidade. Em minha opinião, uma excelente atuação pelos seus vinte e um anos na época.

Prince of Persia (2010)

O filme é dirigido por Mike Newell, produzido por Jerry Bruckheimer e com roteiro do criador do jogo eletrônico, Jordan Mechner.

Dastan, quando menino, foi encontrado pelo rei no que chamavam de mercado da cidade e devido a bravura que o menino apresentou o Rei se encantou por ele e o adotou. Ainda assim Dastan possui um brilho próprio, é carismático, aventureiro e adora desafios, quase sempre sendo o centro das atenções. Quando um de seus irmãos decide invadir e conquistar um território vizinho, Dastan o apoia na batalha. Quando vencem a guerra Dastan tem em mão uma belíssima adaga, diferente de todas que ele já viu. Esta era guardada cuidadosamente pela princesa de Alamut, Tamina. Porém, Dastan nem imagina que a adaga que ele possui e exibe não é só um simples e belo artefato, ela tem poderes e nas mãos da pessoa errada pode causar sérios problemas.

prince-persia-photo19

Dastan é encarregado de entregar ao seu Pai e Rei uma túnica belíssima, como um presente. A túnica foi envenenada levando o Rei a morte quase que de imediato na frente de todos, obviamente Dastan se torna culpado e acusado de traição o mesmo tem de fugir as pressas com a adaga e a princesa Tamina que insiste em acompanhá-lo para protegê-la.

Nessa jornada, Dastan descobre o verdadeiro poder da adaga e o motivo da princesa ter se empenhado tanto em mantê-la a salvo. Ele percebe então que sofreu um golpe e que estão tentando destruir o reino. Durante o filme, o príncipe procura por provar sua inocência e muitas cenas de ação surgem.

Prince-of-Persia-Film1

Os viciados em jogos de vídeo-game ficaram decepcionados com o filme, assim como aconteceu com  Lara Croft: Tom Raider e outros filmes baseados em vídeo-game. Eu particularmente adorei e achei muito divertido, principalmente por ter uma boa dose de romance e homens da idade média com belos corpos seminus lutando e exibindo toda sua virilidade na ponta de suas espadas.

Pra quem já viu os filmes ou pelo menos um deles, compartilhem com a gente o que vocês acharam. E pra você que ainda não assistiu, boa sessão!

Beijinhos!

 

Sessão com Johnny Depp!

Johnny Depp é sempre um convite irresistível para assistir a um filme. Não só pelo charme, mas pelo histórico de excelentes atuações ao longo de sua carreira. E o post de hoje eu dedico a ele, relatando a história de dois de seus filmes que eu acredito não serem tão bem conhecidos quanto seus sucessos Edward, mãos de tesoura e Piratas do Caribe. Eu sou uma grande fã do Johnny e já vi a maioria de seus filmes, até hoje não conheci um que me decepcionasse. Minhas escolhas para hoje são: Chocolate e A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça.

johnny-depp-wallpaper-widescreen-johnny-depp-11284667-1280-800__1_

Chocolat (2000)

Johnny Deep e Chocolate? Em minha opinião é uma combinação perfeita!

O filme Chocolate é um ótimo filme que combina Johnny Depp, Chocolate e Interior da França. Juliette Binoche é a protagonista, cujo desempenho lhe rendeu uma indicação ao Oscar. O filme ainda levou outras quatro indicações ao prêmio da Academia. O que chamou a atenção foram as atuações, com destaque para Judi Dench e Lena Olin.

Chocolate

Lansquenet-Sous-Tannes é uma cidadezinha no interior da França, igualzinha a qualquer outra cidadezinha do interior de qualquer outro país cristão. O padre é a engrenagem que mantém o hábito religioso de meia dúzia de carolas e de uma população conservadora, de ombros curvados, oprimidos pelas suas obrigações espirituais. Em contrapartida, existem os forasteiros, os ciganos e os excluídos.

Vianne Rocher não é uma mulher como as outras. Mãe solteira, ela chega com sua filha de seis anos a essa pequena cidade, Lansquenet-sous-Tannes, no interior da França durante o período da Quaresma. Ela choca os locais ao abrir uma chocolataria durante esse período religioso e se envolve em outras polêmicas, como se relacionar com o charmoso cigano Roux (Depp). A mulher acaba por conquistar a confiança da população local com suas delícias feitas de chocolate. Logo o ceticismo inicial transforma-se em uma calorosa recepção.

É um filme bem tranquilo, no estilo sessão da tarde, e eu recomendo que você assista com chocolate em mãos para não passar vontade! O filme inteiro é um desfile de bombons, bolos, panquecas… Uma variedade enorme com chocolate envolvido!

Chocolate é a prova que um bom romance não precisa de histórias megalomaníacas ou dramas arrebatadores. Contemplativa, intimista e mística, a britânica Joanne Harris tem na vivacidade da sua obra seu principal triunfo. Todos os doces são saborosos, todos os personagens são reais, todos os dramas e mistérios são ritmados na velocidade exata.

2001_chocolat_002

 

Sleepy Hollow (1999)

Esse sem dúvidas é um dos meus filmes preferidos do Johnny, além de ser dirigido pelo Tim Burton. Uma das melhores parcerias, em minha opinião. A história é uma adaptação para o cinema vagamente baseado no conto de 1820 de Washington Irvin.

johnny_depp_sleepy_hollow_spanish_movie_poster_2a

A trama se passa em 1799 onde uma série de crimes envolvendo inocentes acontece no pequeno vilarejo de Sleepy Hollow. O investigador Ichabod Crane então é enviado ao condado para desvendar os assassinatos misteriosos, onde todas as vítimas são encontradas decapitadas. Para desvendar o caso, Ichabod Crane, logo ao chegar ao local, depara-se com a suspeita de que o assassino seja, na verdade, o fantasma de um sanguinolento guerreiro morto há muitos anos, próximo à região. Ichabod não acredita na crença popular até testemunhar um dos assassinatos. Empenhado a solucionar o caso,  Ichabod passa a usar os seus métodos para descobrir se existe uma ligação entre o assassino e suas vítimas e acaba descobrindo uma trama que envolve a família mais influente da cidade, os Van Tassel, por cuja filha, Katrina, Ichabod acaba se apaixonando. Crane tem freqüentes pesadelos com a morte de sua mãe, torturada na Donzela de Ferro.

sleepy-hollow

Produzido por Tim Burton, o filme tem uma fotografia linda e bem sombria e ótimos efeitos especiais, comparado ao baixo orçamento da produção. As atuações são excelentes, Johnny Deep faz um protagonista perfeito em contraponto como o Cavaleiro Sem Cabeça, interpretado por Christopher Walken. Christina Ricci interpreta a doce Katrina.

Tentando homenagear antigos filmes ingleses de terror, Burton constrói um filme único à sua maneira ao combinar horror, investigação e aventura com doses de sobrenatural e romance. Cabe dizer ainda que o filme apresenta de forma clara uma crítica ao modo como os ricos e influentes conseguiam suas terras naquela época, roubando dos pobres e registrando tudo em nome de suas famílias, com a ajuda de autoridades corruptas. Outro ponto interessante é saber o que acontece com a mãe de Ichabod, o que ajuda a entender um pouco o seu lado cético.

Espero que vocês tenham gostado das minhas dicas dessa quinta-feira, pessoal. Até semana que vem 🙂

Beijinhos!