Tenho lido bastante coisa ultimamente, mais não deixo de selecionar um bom livro para descontrair nas horas vagas. E o escolhido da vez foi Topless de Martha Medeiros. Confesso que a cada livro que leio dessa belíssima escritora me apaixono mais por suas palavras, reflexões e as diversas maneiras de como ela observa e expõe alguma ideia, uma história e um momento marcante sobre o Brasil ou até mesmo de sua vida.

Os livros da nova era

Não nego que viver sem computador, hoje, é o mesmo que viver sem geladeira. Mas não consigo imaginar o livro deixando de ser um objeto para ser um equipamento. O livro podendo ser apagado. As livrarias se transformando em lojas de disquetes. Todos os volumes de uma biblioteca cabendo numa única gaveta. Como serão as sessões de autógrafos? Que graça terão as aulas de inglês, se o book não estará mais on the table?

Página 37

toplesslivro

Este livro é de 1997 e só agora tive a oportunidade de devorá-lo e gostei de vários textos. Mas 3 me chamaram bastante atenção, pelo fato de mostrar o que temos visto nos dias atuais. A tal da felicidade instantânea de querermos tudo agora, os livros de papel que estão sendo abandonados e a competição e concorrência que nunca deixou de existir.

A felicidade no fim do século

[…] A felicidade conquistada lentamente, passo a passo, virou uma vaga lembrança. Estamos vivendo a era da felicidade instantânea. Precisamos, para ontem, de um jatinho particular, um apê em Nova York e um nariz novo. Nada que uma Supersena acumulada não resolva.

Porque esta urgência de viver? Simples: porque a morte tem chegado à bala. A violência urbana mudou o nosso conceito de felicidade. De dia comemos um churrasco com a família, à noite podemos estar enterrando um amigo morto estupidamente num acidente de carro. […]

Página 17

De forma bem descontraída os textos são leves e conseguimos captar cada percepção sobre as ideias e os momentos descritos por Martha em cada crônica. O livro é composto por 54 crônicas e você consegue ler ele em 2 dias!

A modéstia sobre ao pódio

Competição. Esta é a palavra de ordem do mundo atual, e que já não se restringe ao empresariado. Vale para tudo: para conseguir uma vaga para estacionar, para arranjar marido, para se destacar neste mundo de clones. Não somos mais irmãos, somos concorrentes.

Página 168

Vocês já leram esse livro?