Cinema: Django Livre

Bom dia, galera! Mais uma quinta-feira chegou e hoje eu preparei uma resenha de um filme muito bom que estreiou esse ano!  Eu e meu gosto pela História, como sempre, me levou à Django Livre.

Crítica-Resenha-do-filme-Django-Livre-de-Tarantino-01
Dirigido por Quentin Tarantino (Kill Bill), Django Livre já era de se esperar que tivesse o tipo de violência que choca e ao mesmo tempo é divertida, se é que faz algum sentido. A primeira cena mostra Dr. King Schultz (Christoph Waltz) aparecendo em uma carroça no meio da noite para interromper a viagem de alguns escravos que seriam vendidos na cidade. Um dos escravos era Django (Jamie Foxx). Schultz cruza os Estados Unidos atrás de criminosos, procurados “vivos ou mortos” e resolve sempre todas as questões com tiros e muita tranquilidade. Nessa primeira cena não foi diferente, Shultz matou o homem que conduzia os escravos, libertou os negros e levou Django consigo para obter informações a respeito de dois criminosos que procurava. A partir desse momento, ambos desenvolvem uma grande amizade e o antigo escravo passa a acompanhá-lo em sua jornada.

django-unchained-jamie-foxx-christoph-waltz
Após muitas caçadas por fugitivos, Django deseja resgatar sua esposa, Broomhilda (Kerry Washington), que ele não vê há muitos anos, desde que ela foi vendida para outros proprietários. Ao contrário do que foi esperado, as melhores atuações não são destes dois protagonistas. A busca de Schultz e Django leva-os a Calvin Candie (Leonardo DiCaprio). Apesar de ser um personagem secundário, DiCaprio deu um show de atuação como sempre. Um pouco misterioso e afetado, o excêntrico dono da grande plantação de algodão de Candyland é um apreciador de lutas entre escravos e parece ter uma relação incestuosa com sua irmã. Seu escravo de confiança idoso, Stephen (Samuel L. Jackson) é esperto e percebe coisas que seu dono não consegue enxergar – como o envolvimento de Django com Broomhilda. Samuel é outro grande ator, ganhou o centro das atenções em algumas cenas. Envelhecido no papel, suas frases de efeito são ótimas! Em Candyland está a esposa de Django, e uma sucessão de cenas inacreditáveis vai decidir o rumo da história.

django
 Django Livre se apresenta com muito respeito em relação à cultura, à luta e ao papel dos negros no processo da própria libertação, já que neste filme eles são muito mais do que inocentes esperando que algum branco pudesse vir salvá-los da escravidão.

Ponto negativo: No meio do filme, que é bem longo (2 horas e 45 minutos de duração), há uma quebra de ritmo e o longa se torna um tanto instável. Sabe-se que houve vários problemas na produção e pós-produção do filme, inclusive sobre a duração. No entanto, não é nada que estrague ou comprometa a obra.
Ponto positivo: Excelentes atores, ótimas atuações, diálogos bem escritos. Foi indicado a vários prêmios como:

Em 2013, indicado ao Oscar de Melhor Filme e Ator Coadjuvante (Christoph Waltz)
Em 2013, indicado a Melhor Filme – Drama, Diretor, Ator Coadjuvante (Christoph Waltz e Leonardo DiCaprio) e Roteiro no Globo de Ouro
Em 2013, indicado aos Bafta Awards de Melhor Diretor, Roteiro Original, Ator Coadjuvante (Christoph Waltz), Edição e Som

Confira o trailer abaixo:



Bom resto de semana para vocês 🙂

Beijinhos!

Para assistir: Under The Dome!

Oi, gente! Depois de uma semana, cá estou eu novamente! Hoje vim sugerir a vocês uma série que está dando o que falar.

Under-The-Dome

Under The Dome é baseada no livro homônimo de Stephen King, lançado em 2009. Adaptada por Brian K. Vaughan (Lost).

Under the Dome se passa numa cidade que inexplicavelmente se vê presa sob uma redoma enorme e transparente. Logo o caos toma conta da cidade, deixando os cidadãos de Chester’s Mill preocupados com o que pode acontecer. Com o passar dos episódios, as pessoas percebem que a redoma pode matar caso eles se aproximem dela portando objetos à bateria, eletrônicos… Como relógios, aparelhos de audição e etc. Enquanto lutam pela sobrevivência nesse cenário pós-apocalíptico, os moradores da cidade procuram por respostas sobre o que é esta barreira, de onde ela veio e se, um dia, ela irá embora.

“A série estreou no dia 24 de junho, nos EUA, registrando a média de 13.5 milhões de telespectadores e 3.3% da audiência do público alvo. Números bem elevados para uma série original na Summer Season. Somando a audiência em DVR (no período máximo de sete dias), os números chegaram a 16.7 milhões com 4.3% do público alvo. Com seis dos treze episódios produzidos exibidos até o momento, a primeira temporada vem conseguindo manter a audiência de 14 milhões, com 3.44% do público alvo, ao vivo. Melhor que muitas produções que são exibidas na Fall Season ou na Midseason”.
Under The Dome está agradando tanto ao público que já foi confirmada uma segunda temporada para a Summer Season de 2014. O próprio Stephen King será o roteirista do primeiro episódio, de acordo com a Variety.

O elenco conta com a participação dos seguintes atores:

  • Mike Vogel como Dale “Barbie” Barbara
  • Rachelle Lefevre como Julia Shumway
  • Natalie Martinez como Linda Esquivel
  • Britt Robertson como Angie McAlister
  • Alexander Koch como Junior Rennie
  • Nicholas Strong como Phil Bushey
  • Colin Ford como Joe McAlister
  • Jolene Purdy como Dodee Weaver
  • Aisha Hinds como Carolyn Hill
  • Jeff Fahey como Howard “Duke” Perkins
  • Dean Norris como James “Big Jim” Rennie

Eu recomendo muito que todos vocês assistam a essa série, é realmente muito boa e a cada episódio você se torna mais curioso para saber o que vai acontecer. Além de ter colírios para os olhos, se é que vocês me entendem, meninas 😉

Espero que tenham gostado do post de hoje!
Beijinhos.