Uma das coisas boas do colégio era poder ler os livros indicados pelos professores. Tá, nem todo mundo gosta muito de ler, mas eu particularmente adorava e lia sempre que pediam – o ruim era ter que fazer testes e resenhas depois. Na época do colégio tive a oportunidade de ler diversos autores nacionais e conhecer histórias incríveis, prova de que brasileiro sabe sim escrever e tem talento. Dois livros autobiográficos que ficaram marcados no meu período escolar carregam muitas lições de vida.

– Depois Daquela Viagem

Quem nunca leu esse livro está perdendo tempo. Simplesmente um dos melhores que já li. Valéria Piassa Polizzi conta de forma simples e descontraída sua trajetória de vida, que poderia ser bem triste e trágica, mas ela resolveu fazer o que melhor que podia com o tempo que restava, mesmo sem acreditar que viveria muito. Aos 15 anos ela conheceu um homem durante uma viagem com sua família. Ele era 10 anos mais velho que ela e quando começaram a namorar era uma pessoa carinhosa, porém, se tornou agressivo e a convenceu a ter relações sexuais sem proteção. Depois de suportar todo tipo de agressão e abuso Valéria consegue terminar o relacionamento, mas descobre que contraiu o vírus HIV. Essa nova realidade transforma sua vida, em uma época onde a AIDS era pouco conhecida e havia muito preconceito, ela passa por diversas situações de vergonha, medo e indecisão. O que a faz viajar para os EUA, conhecer outros lugares e pessoas, tentar uma vida normal e receber o carinho e apoio da família. Eu li umas três vezes e super recomendo!

– Esmeralda – por que não dancei?

Uma história de vida que se repete em cada esquina, porém, com um final feliz. Esmeralda do Carmo Ortiz é como qualquer garota que tem uma família desestruturada, com dois irmãos de pais diferentes, e nenhuma condição financeira. Cansada de sofrer agressões dentro de casa e de ter sido abusada pelo padastro ela resolve fugir e morar nas ruas, mas encontra uma realidade pior. Se envolve com drogas, sofre mais abusos, mais agressões, começa a roubar para sustentar o vício. O que a diferencia dos demais moradores de rua é que Esmeralda queria algo mais para sua vida. Passou pela Febem diversas vezes e sempre voltava para as ruas, mas tinha consciência do mundo ao seu redor. Através dos centros de recuperação ela buscou a solução para sua vida e com o tempo e dedicação ela conseguiu sair das ruas e recuperar sua dignidade. Um livro tocante, realista e emocionante, onde nos deparamos com um mundo cruel e injusto,  mas serve de lição e apoio para todos aqueles que não desistem facilmente.

Uma história verídica sempre deixa muitas lembranças e nos modifica um pouquinho. Vocês já leram algum desses ou tem vontade de ler? Recomendo os dois!

Beijos e um ótimo fim de semana!