Bom dia, gente! Como vocês estão nessa sexta-feira? Hoje eu trouxe pra vocês a crítica de um filme baseado em um dos livros de Nicholas Sparks, O melhor de mim. Pra quem é fã da literatura americana, no mínimo já ouviu falar desse autor e dos seus livros, que já renderam em seguida vários filmes, como “A última música” e “Um amor para recordar”. Eu, particularmente, acho os romances do Sparks bastante água com açúcar, e já deixei de ler os livros para esperar pelos filmes!

o_melhordemim

Em O melhor de mim, o casal principal é formado por Dawson (James Marsden) e Amanda (Michelle Monaghan), que se conhecem durante a adolescência noS anos 90 e acabam se apaixonando. É uma história clichê de amor impossível – Amanda vem de uma família rica de uma pequena cidade da Louisiana e Dawson vive dificuldades ao lado de seu pai “vilão” e os dois irmãos são tão ruins quanto.

A trama se passa nos dias de hoje após anos de separação, quando Dawson e Amanda recebem uma ligação informando o falecimento de um amigo. Tendo seus nomes vinculados no testamento do falecido, os dois são obrigados a retornar à cidade natal e então acontece o reencontro. A partir daí, as cenas são revezadas por flashbacks e os dias de hoje, mostrando o real motivo da separação dos dois.

melhordemimfilme

Pra ser bem sincera, não é pior e nem melhor do que eu imaginei que seria. É bem filme de sessão da tarde e eu com certeza acho que a escolha dos personagens não foi boa, pois não houve química e nem identificação. E quanto ao desfecho do filme, me decepcionou mais ainda!

Fique com o trailer:


E você, o que achou do filme?

Resenha: O melhor de mim

Ei, pessoal! Cá estou eu em mais uma quinta-feira, indício de que o fim de semana está chegando (graças a Deus)!

Bom, hoje eu escolhi falar um pouquinho sobre um livro mais recente do Nicholas Sparks. Essa é uma história muito bonita que dá ênfase a um amor de juventude que apesar dos anos nunca enfraqueceu. Eu não sei vocês, mas eu sou uma grande fã do amor verdadeiro (mais do que gostaria de admitir), daquelas que bem lá no fundo acredita em uma alma gêmea escondida por esse mundo afora. O título do livro é O Melhor De Mim, um romance que nos afirma que o primeiro amor deixa marcas para a vida inteira.

O romance se passa em uma cidade pequena, Oriental, onde Amanda Collier e Dawson Cole moraram a vida inteira. Apesar de já terem se visto, foi aos 17 anos que começaram um convívio forte o suficiente para se transformar em uma beleza amizade, que mais tarde viria a se tornar amor.

o-melhor-de-mim-nicholas-sparks-livro-novo_MLB-F-4495880363_062013

Amanda, parte de uma família rica e tradicional, via em Dawson um porto seguro calmo e tranquilo, ao qual podia recorrer sempre que precisava fugir da pressão de seus pais – que não escondiam ser contra o relacionamento deles. Dawson era quieto e solitário, fez de tudo para ser diferente da família de mafiosos e sem caráter na qual nasceu. A garota por quem se apaixonara era a pessoa para quem dava o melhor de si, sem esperar nada em troca. Pressionada pela família, Amanda sugere uma fuga para que os dois possam, enfim, viver em paz. No entanto, Dawson não quer estragar o futuro dela e, acreditando estar fazendo o que é certo, rompe o namoro e decide seguir sua vida sozinho.

 ” – (…)- Ele chutou o chão. – Quando você ama uma pessoa, você precisa libertá-la, não é? Pela primeira vez, um brilho surgiu nos olhos de Amanda. – E, se ela voltar, é porque o destino quis assim ? É isso que você acha que está acontecendo ? Que a nossa vida virou um clichê ? – Ela agarrou o braço de Dawson, fincanco os dedos em sua pele.- Nós não somos um clichê – (…) Vamos encontrar uma maneira.(…)”

Aproximadamente vinte anos depois eles voltam à cidade onde tudo começou. Isso porque o melhor amigo que os dois já tiveram, Tuck Hostetler (um grande destaque no livro), acaba de morrer. O velório do velho amigo os une novamente e desperta sentimentos adormecidos no casal. Diferentes dos adolescentes que costumavam ser, Dawson começa a trabalhar em uma plataforma de petróleo e Amanda se casa e tem três filhos. Ambos ficam surpresos e felizes com o reencontro. Trocam histórias, confidencias, lembranças… Mas nem tudo é felicidade nesse fim de semana. Os primos de Dawson ainda querem vingança, Dawson começou a ver a imagem de um homem que o segue, a mãe de Amanda ainda a controla, e a própria Amanda está infeliz com o grave problema que enfrenta em seu casamento e que irá piorar ainda mais quando o fim de semana chegar ao fim.

 “Dawson era uma dessas raras pessoas que só conseguem amar uma vez – e única coisa que a separação podia fazer com esse sentimento era torná-lo mais forte. (…) Afinal de contas, o amor sempre diz mais sobre quem o sente do que sobre a pessoa amada.”

Dawson é um personagem extremamente apaixonante, em todos os aspectos. A narração é revesada entre os personagens, fazendo com que a leitura flua ainda mais facilmente. Nicholas Sparks tem um dom divino de fazer obras únicas, tocantes, envolventes, e impactantes na medida certa; Obras que exploram até o mais profundo aspecto do amor, através de palavras que se tornam inesquecíveis em nossas mentes e em nossos corações.

Convenhamos, parece uma história clichê… E é de certa forma, o que torna interessante é o modo que Nicholas Sparks coloca a história, o envolvimento dos personagens, os diálogos. Além do romance, há uma pitada de drama, sobrenatural e ação por conta da família criminosa de Dawson. O final desperta um misto de sentimentos no leitor, até hoje não consegui me decidir se gostei ou não, mas posso dizer que não poderia ter sido de outra forma melhor a não ser a que Nicholas Sparks escreveu:

“Porque você não é só alguém que amei no passado. Você era minha melhor amiga, a melhor parte de quem eu sou, e não consigo me imaginar desistindo disso outra vez. – Ele hesitou, buscando as palavras certas. – Eu lhe dei o melhor de mim e, depois que você foi embora, nada jamais voltou a ser o mesmo” – Dawson.

Observação: Um filme baseado no romance está vindo por aí! Aguardando ansiosa 😀

Até a próxima, gente!

Beijinhos!