Vamos falar do filme vencedor do Oscar? Depois de toda polêmica ocorrida na premiação, quem viu ao vivo, viu! Eu também achei que a pessoa tinha lido errado quando mencionaram La La Land, e foi bem isso que aconteceu. Moolight: Sob a Luz do Luar, não foi o meu favorito, mas agrada por possuir uma história interessante e o que eu mais gostei foi a fotografia, é praticamente um encanto pra quem ama essa arte. ??

O filme também surgiu a partir de uma ideia de uma peça teatral (não lançada) divide a vida do personagem em 3 capítulos, seu principal foco é a busca por autoconhecimento, algo universal, inerente à vida de qualquer ser humano, independente da cor da pele. Podemos conhecer a história de Chiron (Alex Hibbert) que mora numa comunidade pobre de Miami, bem na época da explosão do crack dos anos 80. Na adolescência, quem assume é (Ashton Sanders) em uma performance exagerada e menos sutil que transparecia.

O longa mostra as questões de raça, preferência sexual e ganha contornos complexos, mostrando a vida de uma mãe solteira sobrecarregada de trabalho que usa a droga como escape. Entre um mundo externo perigoso e lares desfeitos, Chiron parece não ter qualquer escapatória a não ser a de se corromper pelo meio em que vive. Moonlight promove uma perspectiva de uma Miami com tonalidades fortes e deprimentes da fotografia de James Laxton, uma espécie de versão periférica de Christopher Doyle e variando com a música clássica a Caetano Veloso. ?

Confira o trailer:

Já assistiram?

Continuando nossa frenética Maratona do Oscar 2017, aliás a premiação acontece neste domingo dia 26 de fevereiro. Eu falo como se fosse realmente convidada hahaha, mas sou somente uma espectadora que adora o frenesi desta linda festa. Antes de falar do filme de hoje, aviso pra vocês que serão resenhados dois filmes após a celebração, espero que não tenha problemas pra vocês, tá? ?

Desmond Doss (Andrew Garfield) é um filho de um ex-combatente da I Guerra Mundial, seu pai após voltar da Guerra tornou-se um homem alcoólatra e violento, sua mãe por outro lado era uma verdadeira cristã e criou seus filhos no ambiente cristão. Doss foi criado na igreja Adventista do Sétimo Dia, era um bom cristão, uma pessoa do bem que acabou se apaixonando pela enfermeira Dorothy Schutte (Teresa Palmer), não demorou muito e logo ele disse que a amava e queria se casar com ela. Além disso, Doss prometeu a Deus que não pegaria em armas, devido ao seu trauma de infância, acontece que ele queria ser médico e servir sua nação como todos os outros amigos, porém não deixando de lado suas ideias de não matar e manter sua fé.

Foi no exército que Doss, foi considerado um homem de consciência, título que se dá a pessoas que seguem fortemente uma crença e que não abre mão dela por nada. No entanto, quando o sargento Howell (Vince Vaughn) e o soldado Smitty (Luke Bracey) são feridos ou têm seus membros destroçados por uma granada, é Desmond quem corre para fazer torniquetes e aplicar morfina.

O filme possui uma história de forte drama, ação, fé e romance. E questiona se existe espaço para a paz em meio à guerra, assim como existe espaço para a religião enquanto homens se matam o tempo todo. Podemos perceber que é uma das produções mais bonitas feita por Mel Gibson atualmente, um longa que passa uma mensagem de coragem, determinação, fé em Jesus e amor ao próximo. ????

Gosto bastante dos filmes do Andrew, sinto que ele se dedica ao máximo e ele consegue mostrar neste papel. Mesmo não sendo o meu filme favorito com ele (tô acostumada com os papéis fofinho dele hahaha ??). Se você gosta de ação, guerra, tiros e bombas é uma ótima pedida com a pipoca. O filme também não é o meu queridinho, mesmo eu curtindo filmes neste estilo, mas acredito que recebe prêmios e pode até ser o vencedor.

Confira o trailer:

Já assistiram?