Olá gente linda! Como vocês estão? Gostaram da indicação de semana passada? Quem conhecia a série já assistiu a primeira parte de Skins – Fire? O que achou? Skins não poderia ter escolhido um jeito melhor para acabar. Mal posso esperar para os episódios do Cook e da Cassie.

Hoje eu termino essa minha saga britânica. Confesso que to amando, afinal pra quem ama o sotaque essas séries são um prato cheio e sem contar que as duas séries são as minhas queridinhas nesse mundo recheado de infinitas histórias. Vamos ao que interessa, todo mundo veio preparado para essa viagem? Eu estava conversando com o piloto e parece que não vamos precisar de nada mais elaborado do que estamos vestindo mesmo, aliás não se assustem com o nosso meio de transporte, ele é maior por dentro. Sejam bem-vindos a esse mundo maluco.

 Doctor Who

Doctor-Who-Matt-Smith___

Vou começar contando a minha história com a série. Eu a conheci em 2007 quando anunciaram que uma banda que eu gosto muito faria uma participação em um episódio da terceira temporada. Fãs vocês sabem como são, assistem tudo o que puderem das bandas favoritas, por sorte na época eu tinha o canal que passava a série e lá fui eu assistir ao tal episódio. A banda aparece bem no início, mas eu assisti até ao final, confesso na época eu não entendi nada do que tava acontecendo, apenas achei ela a série mais bizarra da vida. Ai há alguns meses, já perto de todas as series finale, eu comecei a procurar por novas coisas para assistir.

Enquanto eu entrava em vários sites procurando uma nova série, em todos eles só se falava da mesma coisa, um mega especial de uma tal série que ocorreria no final do ano. Confesso que achei isso um sinal divino. Tudo apontava que eu deveria começar a assistir Doctor Who. O especial que todos os sites falavam era do Especial de 50 anos da série. Isso mesmo, 50 anos! Vou te contar, não é qualquer série que consegue atingir essa marca.

Doctor Who mostra as aventuras do Doutor (o personagem mais legal do universo. De todos eles!), um alien de aparência humana, o último de sua espécie, os “Time Lords” (Senhores do Tempo), que viaja no tempo e no espaço a bordo da TARDIS, sua nave espacial que por fora é uma cabine policial azul de madeira dos anos 60, mas por dentro ela é gigante. Aliás é impossível não querer “ir ali” a bordo da TARDIS.

DW parece ser uma maluquice e de fato é. De início as histórias de cada episódio parecem independentes, mas quando vai chegando a season finale tudo se junta. E acredite, no final tudo faz sentido. A série não leva nada a sério, eles fazem piadas com tudo. Mas com tudo MESMO. Nem a família real escapa das gozações. O Doctor adora fazer umas viagens para as épocas de acontecimentos históricos, como a destruição da Pompéia e a Segunda Guerra Mundial; e nesse meio ele sempre se encontra com personagens que marcaram a história como, por exemplo, Shakespeare, Agatha Christie, Vincent Van Gogh, Rainha Victória e vários outros.

Vou confessar que quando pensei em falar sobre Doctor Who eu achei que seria mais fácil, mas acontece que é muito difícil falar dela sem parecer uma maluca que está divagando sobre coisas aleatórias. Aliás, isso é uma característica do Doctor, algumas vezes ele começa a viajar nas ideias e se você não prestar muita atenção ao que ele está falando você fica completamente perdido. Mas de novo, tudo faz sentido.

O que ajuda a série ser tão boa, com certeza são os atores que fazem o Doctor. Sim, atores. Uma das mitologias da série é a forma como o Doctor “escapa” da morte. Ele se regenera, mudando todas as células do seu corpo e assim se tornando uma nova pessoa. Quando isso acontece, dá muita raiva e vontade de odiar o próximo ator que fará ele. Mas a raiva passa bem rápido, digo isso por experiência própria. Eu assisti três temporadas odiando o ator que entraria na quinta temporada, mas depois dos primeiros 5 minutos eu já estava amando ele.

The-Eleven-Doctors-doctor-who-18277364-1280-800.jpg

Ok, aqui eu acho que a sua cabeça já está bem confusa. Então vou começar a explicar essa história de 50 anos, troca de atores e tudo mais. SIM, DW esse ano completa 50 anos. A série foi ao ar pela primeira vez em 23 de novembro de 1963, ou seja, nós temos 33 temporadas no total. Mas antes que vocês comecem a me xingar por estar indicando uma série com tantos episódios, CALMA! São 26 temporadas clássicas e 7 temporadas atuais. Eu nunca assisti nenhum episódio da série clássica e isso definitivamente não atrapalha no entendimento. E para comemorar essa marca, no dia 23 de novembro, a BBC vai exibir um especial.

Como vocês podem ver, Doctor Who é uma série bem antiga e não teria como o mesmo ator ficar na pele do Doutor por tanto tempo. A série passou um tempo sem ser exibida na TV, ela voltou em 2005 com o 9º Doctor da história, que era interpretado pelo Christopher Eccleston, ele ficou apenas por uma temporada e no ano seguinte, em 2006, após uma regeneração do Doctor, David Tennant ocupou o posto como o 10º Time Lord. Após três temporadas maravilhosas, Tennant se despediu e Matt Smith (o moço da foto lá em cima) surgiu para que a gente pudesse amar ele também. Como eu disse ali em cima, eu assisti todas as temporadas do 10º Doctor odiando o Matt, mas depois de 5 minutos assistindo a quinta temporada eu já amava ele e achava ele perfeito no papel. No vídeo ali em cima é o Matt Smith com o David Tennant no behind the scenes do especial de 50 anos.

Gente, eu poderia passar a minha vida falando sobre Doctor Who, mas eu acho que já falei demais e olha que eu nem falei de tudo que eu queria. Muita gente já deve até desistido de assistir a série. Devem estar achando que isso tudo não passa de um sonho muito estranho meu, mas DW é uma série eu indico pra todo mundo sem me preocupar, porque sei que ela é excelente e vai além de tudo que eu escrevi aqui, ela é bem melhor, acreditem. Só uma viagem na TARDIS para fazer você entenderem bem toda essa maluquice.

Espero que gostem da indicação. Semana que vem tem mais.

Beijos.